Microcefalia se multiplica no Nordeste

Novembro 18, 2015

Causada, provavelmente, por infecção provocada pelo Zika virus, a epidemia de microcefalia avança perigosamente,, afetando crianças na região nordeste.

A microcefalia é uma condição neurológica em que a cabeça do recém-nascido é menor quando comparada ao padrão daquela mesma idade e sexo. Neste caso, os bebês com essa malformação congênita nascem com um perímetro cefálico menor do que o normal, que habitualmente é superior a 33 cm. Há várias causas possíveis, mas o atual surto parece estar associado à presença do mosquito Aedes Aegypti, o mesmo que transmite febre amarela, dengue e a febre chicungunya.

A picada não causa dores ou coceira e os sintomas costumam surgir 10 dias depois (febre leve entre 37,8 e 38,5ºC, erupções cutâneas no rosto e/ou mãos,pés e tronco; dor de cabeça; dores musculares e nas articulações, por vezes com inchaço). O mosquito transmissor mede pouco menos de 1 cm, é de cor preta ou café com listras brancas no corpo e pernas, atacando preferentemente ao final da tarde e nas primeiras horas da manhã.

A nota abaixo reproduzida é da Secretaria de Saúde Pública do Rio Grande do Norte.

NATAL (RN), 17 de novembro de 2015.

Rio Grande do Norte já registra 47 casos de microcefalia

A Secretaria de Estado e da Saúde Pública (Sesap) está em vigilância permanente monitorando os casos de microcefalia no Rio Grande do Norte que de agosto pra cá já registrou 47 casos.

No início da noite de hoje técnicos da Sesap realizaram uma reunião na Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica com a participação do secretário Ricardo Lagreca, onde foram contabilizados os últimos números, que até a tarde desta terça-feira (17) registrava 39 casos. Agora à noite o número subiu para 47.

Segundo o Ministério da Saúde, o Zika vírus é a ‘principal hipótese’ para aumento de microcefalia no Nordeste. Além do Rio Grande do Norte, também foram registrados 44 casos em Sergipe, 21 na Paraíba, 10 no Piauí, 9 no Ceará e 8 na Bahia. Pernambuco registra o maior número de ocorrências até o momento e tem 268 bebês nascidos com microcefalia em 2015.

O convite a seguir, para todos os interessados, é das representações locais da SBMT e da ABNEP

Sociedade Brasileira de Medicina Tropical/Seção DF

Acontecerá no dia 24/11, terça feira, entre 13h30 e 17h00, em auditório da FIOCRUZ/DF, o Seminário sobre o Surto de Microcefalia no Estado de PE e NE como um todo e a discussão sobre a possível associação à febre por vírus Zika. O evento terá a participação da Dra. Vanessa Van Der Linden, Neuropediatra do Hosp. Barão de Lucena e Pres. da Ass. de  Assistência à Criança Deficiente (AACD) - Recife/PE.

A FIOCRUZ/DF, fica no campus Darcy Ribeiro, da UnB, na L3 Norte, atrás do HUB/UnB.

O seminário é promovido pela Associação Brasileira de Neurologia Infantil e Psiquiatria (ABNEP/capítulo DF) e Diretoria de Vig. Epidemiológica da Subsec. de Vig. à Saúde/SES-DF.

[caption id="attachment_2466" align="alignright" width="300"]Mosquito Aedes Aegypti, responsável pela Febre Zika e, provavelmente, à ocorrência de microcefalia (imagem: Jornal de Alagoas.com.br) Mosquito Aedes Aegypti, responsável pela Febre Zika e, provavelmente, à ocorrência de microcefalia (imagem: Jornal de Alagoas.com.br)[/caption]

Tags: [Doenças transmissíveis, Febre Zika, microcefalia, região nordeste, Saúde Pùblica]