Na saúde, o capital se diverte

Março 21, 2015

É de 19 de janeiro deste ano a Lei 13097 que, ao modificar a até então intocável Lei Orgânica da Saúde (8080 de 1990), permitiu "a participação direta ou indireta, inclusive controle, de empresas ou de capital estrangeiro na assistência à saúde". Numa demonstração da agilidade com que o setor se movimenta, o noticiário de hoje (21/3/2015 - Estadão, pg. B14) anuncia que 25% da Rede D'Or está sendo vendida ao Fundo de private equity Carlyle graças à intermediação do BTG Pactual.

Grupos ligados às áreas de fusões e aquisições de empresas e negócios dizem que tais fundos não é de hoje que demonstram forte interesse no setor saúde, havendo "clientes muito interessados em hospitais". A operação pelo Carlyle é a primeira compra de participação acionária por estrangeiros em hospitais brasileiros, um ramo no qual a pulverização empresarial ainda vigora. Mas, vamos por partes para entender quem é quem nesse negócio.

A Rede D'Or São Luiz desde que comprou parte do Medgrupo, cresceu e hoje detém mais de 20 hospitais no país, incluindo o Santa Luzia em Brasília, onde também domina unidades como o Santa Lúcia, Santa Helena, Maria Auxiliadora, Hosp. do Coração, Renascer e Prontonorte  conforme divulgado já no início de 2013. Considerada como a maior rede privada independente do Brasil, a Rede tem forte presença em várias cidades, com destaque para Rio e São Paulo. Contudo, a entrada de capitais estrangeiros de fato começou com a aquisição da Amil pelo grupo americano United Health. A profissionalização da gestão de hospitais é vista como uma oportunidade pelos Fundos de Private Equity (Equidade Privada) que investem em empresas dando-lhes um impulso financeiro a fim de que possam expsndir-se e até mesmo abrir seus capitais na Bolsa de Valores. De acordo com o "Brasil Econômico", eles buscam setores anticíclicos que caminham na contramão da atual desaceleração econômica, identificando áreas consideradas mais resistentes às retrações de renda, como alimentação, vestuário básico e saúde. O Carlyle Group, criado em 1987 em Washington, D.C., é uma empresa de "global alternatives asset management", ou seja, de alternativas globais de administração de ativos. Quanto ao Banco BTG Pactual, em Brasília sediado no Edifício Parque da Cidade (Setor Comercial Sul), apresenta-se como uma organização de investimentos e gestão de ativos e fortunas. Um foco relevante para seus negócios é, cada vez mais, o conjunto de fornecedores da Petrobrás no qual empresas precisam desfazer-se de ativos para obter mais liquidez o que em bom português significa liquidar bens para fazer caixa.

Não é preciso dizer que temas como a saúde para todos e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde passam longe desta discussão sobre investimentos externos e produção de lucro com a assistência médica.

Tags: [capital estrangeiro na saúde, saúde privada, Saúde Pùblica, SUS]