Guerra com o Irã: a nova loucura de Trump

“Em 1916 pela primeira vez na história dos Estados Unidos um homem sem nenhuma experiência em cargos públicos e dono de claras tendências autoritárias foi eleito presidente”. Assim Steven Levitsky e Daniel Ziblatt iniciam seu novo livro – Como as democracias morrem (Ed. Zahar, 2018). Mas, até aqui, vencidos três anos, não são poucos os que, nos Estados Unidos e no mundo inteiro, apenas olham para Donald Trump como um louco evidentemente perigoso mas, no fundo, inofensivo e já em vias de ser substituído no comando da nação mais poderosa do planeta (as próximas eleições acontecem na 3a. feira 3 de novembro de 2020, daqui a pouco mais de dezesseis meses).

Bernie Sanders, pré-candidato democrata nos Estados Unidos

No entanto, e não por gratuita coincidência, eis que, como escreve Bernie Sanders, senador por Vermont e novamente pré-candidato do Partido Democrata à presidência, os tambores da guerra estão soando novamente em Washington. Ou seja, Trump está para repetir a funesta estratégia de George Bush em reposta ao 11 de setembro: quando em seu terceiro ano do primeiro mandato lançou como um programa eleitoral com vistas ao segundo mandato a guerra ao Iraque. O raciocínio era simples: o povo não terá coragem de colocar-me para a rua em meio a uma guerra contra uma ‘potência inimiga”, no caso, contra Sadam Hussein, pintado como o satanás da ocasião, mesmo com a mentira de que haveriam armas nucleares prontas para serem lançadas sobre a América.

A coincidência está no momento escolhido agora por Trump, praticamente o mesmo da decisão de Bush que lançou as primeiras bombas sobre Beirute em 20 de março de 2003, menos de dezenove meses antes da eleição que definiria seu segundo governo. A seguir Mundo Século XXI reproduz os principais trechos da apresentação de Sanders, divulgada ontem:

“Os EUA chegaram muito perto de atacar alvos dentro do Irã em resposta à derrubada de um drone norte-americano no Golfo Pérsico. Na semana passada, a Casa Branca anunciou que mais 1.000 soldados seriam enviados ao Oriente Médio em resposta a um suposto ataque iraniano contra dois petroleiros no Golfo de Omã. No mês passado, o New York Times informou que o Pentágono apresentou um plano para a Casa Branca que prevê o envio de até 120.000 soldados para a região para combater o Irã. 

Precisamos repensar nossa abordagem atual. Uma guerra com o Irã seria um desastre absoluto. Se os EUA atacassem, o Irã poderia responder com ataques a tropas dos EUA e a países da região. Isso levaria a uma maior desestabilização daquela região de uma maneira inimaginável e resultaria em guerras que durariam anos e provavelmente custariam trilhões de dólares. Dezesseis anos atrás, os EUA cometeram um dos piores erros de política externa na história de nosso país ao atacar o Iraque. Essa guerra foi vendida ao povo americano com base em uma série de mentiras sobre armas de destruição em massa. Um dos principais defensores dessa guerra foi John Bolton, que serviu como membro do governo Bush e agora é conselheiro de segurança nacional de Donald Trump. Incrivelmente, até hoje, Bolton é uma das poucas pessoas remanescentes no mundo que continua acreditando que a guerra do Iraque foi uma boa ideia. Essa guerra levou à morte de mais de 4.400 soldados americanos, com dezenas de milhares de soldados feridos, muitos deles gravemente, e centenas de milhares de civis iraquianos mortos. Trump fez campanha para tirar os EUA das “guerras intermináveis”, mas seu governo está nos levando para um caminho que tornou a guerra com o Irã cada vez mais provável. Primeiro, houve a decisão imprudente do presidente de se retirar do acordo nuclear com o Irã há um ano e re-impor sanções esmagadoras ao país. Este foi um movimento oposto por seus próprios altos funcionários de segurança, incluindo o então secretário de defesa James Mattis. Por quê? Porque eles sabiam, assim como a grande maioria dos especialistas em segurança nacional nos EUA, na Europa e em todo o mundo, que o acordo nuclear estava efetivamente impedindo o Irã de avançar com seu programa nuclear.

O acordo nuclear com o Irã colocou o seu programa nuclear sob o mais intenso regime de inspeções da história, fazendo com que desistisse de mais de 98% de seu estoque de urânio enriquecido. A campanha de “pressão máxima” de Trump reverteu esses ganhos. O Irã anunciou recentemente que, em resposta a um ano de aumento nas sanções dos EUA, aumentaria seu estoque de urânio enriquecido além dos limites impostos pelo acordo nuclear. Estranhamente, Trump está agora alertando o Irã a não violar um acordo que seu governo violou há um ano. Precisamos ter uma abordagem mais imparcial para o Oriente Médio, e não simplesmente apoiar um lado contra outro Enquanto ainda há muito que precisamos saber sobre o ataque aos petroleiros e o abatimento do drone, claramente a retórica do governo Trump e o aumento das sanções estão aumentando as tensões. Os EUA e a comunidade internacional têm um interesse comum na proteção das rotas marítimas internacionais e do espaço aéreo. Precisamos trabalhar multilateralmente para fazer isso. Infelizmente, os EUA estão isolados de seus aliados mais importantes agora por causa da retirada de Trump do acordo nuclear e da campanha contra o Irã. Por causa da mentira constante de Trump, a palavra dos EUA é posta em dúvida por muitos ao redor do mundo. Vozes de dissidência foram ignoradas no período que antecedeu a guerra do Iraque. Eles devem ser ouvidos agora. O Congresso deve fazer tudo o que puder para evitar essa guerra. A Constituição é muito clara: é o Congresso, não o presidente, que decide quando vamos à guerra. É imperativo que o Congresso deixe imediatamente claro ao presidente que nos levar a hostilidades com o Irã sem autorização seria inconstitucional e ilegal. recisamos que as mesmas vozes deixem claro para o Congresso e para o establishment da política externa intervencionista, que não aceitaremos outra guerra americana no Oriente Médio. E desta vez precisamos trabalhar juntos ainda mais para montar uma maioria à prova de veto no Congresso.”

Be the first to comment

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*