Novo diretor da OMS é um etíope da etnia tigray

Este ano a escolha de um novo Diretor Geral pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para substituir pelos próximos cinco anos a chinesa&canadense Margaret Chan teve três grandes novidades: eleição universal incluindo os delegados das 185 nações componentes; o escolhido foi um africano e, pela primeira vez, um não-médico. O eleito, que tomará posse em 1º de julho próximo, é Tedros Adhamar Ghebreyesus, um biólogo etíope de 52 anos, que derrotou no pleito final à médica paquistanesa Sania Nishtar (com 38 votos, eliminada no 1º escrutínio) e na 3ª. e última volta o médico britânico David Nabarro por 133 votos contra 50 e duas abstenções (72% quando o mínimo exigido era de 66%).

Tedros, como é conhecido, em seu país foi Ministro das Relações Exteriores de 2012 a 2016 e da Saúde de 2005 a 2012, cargo em que expandiu a rede de serviços e fez esforços para financiar um modelo de cobertura por empresas de seguro de saúde. Promete fortalecer ações de respostas emergenciais a epidemias, promover maior diversidade étnica e de gênero priorizando o acesso a cuidados preventivos às mulheres e ao parto, combater os efeitos sobre a saúde das mudanças climáticas, incrementar  sistemas de seguro de saúde mesmo nas nações menos desenvolvidas.

No Palácio das Nações de Genebra onde a eleição se realizou em 23 de maio último, um grande grupo de etíopes teve de ser afastado pela polícia por protestar em altos brados contra a candidatura de Ghebreyesus devido à sua ativa participação em um regime fortemente repressor. São Oromos e Abissínios (Amharas) que juntos constituem quase 70% da população da Etiópia e são discriminados e reprimidos com crueldade pelos Tigray, uma etnia minoritária (6,3 milhões de pessoas ou 6% de uma população total de 104 milhões), a elite nacional no poder. Diante do pobre currículo em termos de respeito aos direitos humanos de Tedros, muitos em Genebra ficaram à espera de uma declaração mais enfática que o comprometesse neste aspecto, mas ela não veio. Tedros – por ser um deles – no governo etíope compactuou integralmente com as políticas discriminatórias adotadas pelos Tigray, mas este não é um fator relevante na África do passado e de hoje, sendo ignorado pela maioria dos eleitores na Assembleia Geral da Organização. Da mesma maneira não deram importância às acusações feitas pelo grupo de Nabarro de que em sua gestão Tedros encobriu sucessivos surtos de cólera na Etiópia.

Na verdade, a burocracia internacional se comporta politicamente. Com a omissão dos grandes financiadores da OMS – Fundação Melinda@Bill Gates, Rotary Internacional e Estados Unidos – o campo ficou livre para a união da massa de países mais pobres, traduzida numa aliança entre a União Africana e as comunidades dos países do Pacífico, do Caribe e da A. Latina. Esse é um fenômeno comum igualmente no Brasil (votou em Tedros), onde nas eleições para entidades em que o voto de cada Unidade Federada tem o mesmo valor as regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste costumam unir-se por um candidato que as represente, procurando assim compensar a maior força econômica das regiões Sudeste e Sul.

De longe o concorrente mais capaz, David Nabarro, naufragou por representar o Reino Unido, hoje internacionalmente em baixa por ter aprovado o Brexit, minando a união da Europa e a estabilidade global. Mas, o problema mais sério é o financiamento. Critica-se a OMS por despender a cada ano US$ 200 milhões – quase 10% do seu dinheiro – em viagens de executivos, com frequência em 1ª. classe tanto nos vôos quanto nos hotéis, superando os gastos com ações contra aids, malária e tuberculose em conjunto. Boa parte do orçamento é proveniente de doações (como a da Fundação Gates) feitas com destino pré-definido, o que engessa o orçamento e prejudica inciativas como, p.ex., o apoio à estruturação de sistemas nacionais de saúde. E agora surge a disposição de Donald Trump em cortar as dotações dos EUA para entidades internacionais. Ao congratular Tedros por sua escolha, o Secretário de Saúde (equivale a ministro) Tom Price não falou em corte de verbas, mas pediu mudanças na OMS e mais compromisso e transparência nos gastos e prestações de contas.

Mesmo os perdedores na luta eleitoral se apressam em cumprimentar o vencedor, desejando-lhe sucesso, pois sabem que a OMS é uma entidade essencial. Do acerto de suas políticas depende, em boa parte, a saúde do mundo.

Tedros Adhanom Gebreyesus, Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde a partir de 1º/7/2017

Be the first to comment

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*