Ofensiva no Curdistão Ocidental

A cidade síria de Hasakah colada à fronteira com a Turquia e às margens do rio Khabuk, está dividida por linhas étnicas: árabes fieis ao governo de Assad no sul e curdos organizados nas UDP – Unidades de Defesa Popular do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PTC) nos demais bairros que correspondem atualmente a cerca de 80% do território. O instável equilíbrio acaba de ser rompido com o fracasso dos esforços de uma missão russa que tentou erguer um muro entre os dois povos e é iminente a tomada completa da cidade, incorporando-a à região autônoma de Rojava, ou Curdistão Ocidental, que assim estender-se-á de forma contínua até Afrin, mais a oeste. A população de Hasakah cresceu muito nos últimos meses graças ao afluxo de famílias sírias em fuga das áreas dominadas pelo Estado Islâmico.

Os curdos consolidaram-se como a principal organização em combate no solo contra o Estado Islâmico, mas continuam sofrendo intensa pressão do governo da Turquia, cujo 1º  Ministro, Binali Yildirim, ao indicar que seu governo exercerá um papel ainda mais ativo na guerra regional, declarou neste domingo que “nós acreditamos que o PTC, o Estado Islâmico e Assad não devem estar no futuro da Síria”. O mapa com o título “Syria: who controls what? (Síria: quem controla o que?) mostra um país estraçalhado com áreas dominadas pelo governo, pelo Estado Islâmico (EI ou ISIL), pelos Curdos e grupos rebeldes anti-Assad, além da Jabhat Fatah al-Sham (Frente para a Conquista do Levante), a nova denominação da Frente Al-Nusra, ligada à Al Qaeda.

O vídeo exibido acima, neste site, foi produzido pela rede Al Jazeera (http://www.aljazeera.com/indepth/inpictures/2016/04/meet-female-kurdish-fighters-battling-isil-160427072219348.html) e destaca a presença das mulheres como elemento essencial das forças curdas nas frentes de batalha da Síria e do Iraque. Sobre estes temas, leia o texto “A odisseia curda” publicado por MUNDO SÉCULO XXI em 02/2016. Quem manda na Síria (mapa em 08/2016 em: www.aljazeera.com)

Be the first to comment

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*