Crise brasileira: repercussões internacionais – Análises e dados econômicos em julho de 2016 (Boletim nº 35, 21/7/2016)

Segue-se um resumo de análises e dados atuais publicados na mídia global neste começo de julho de 2016.

BBVA Research

Brazil Economic Outlook. First Quarter 2016 (By Unidad de América Latina)

A economia global continuará a crescer, embora mais lentamente e com maiores riscos.

As perspectivas para a economia brasileira continuam a piorar. A crise está ainda longe de acabar.

O nível de atividade deverá contrair-se fortemente de novo e a inflação permanecerá acima da meta desejada em 2016. (12/7/2016)

The Economist – Economist Intelligence Unit (EIU)

Espera-se que em agosto o presidente interino  Michel Temer será confirmado como Presidente até o final de 2018, quando o Senado deve votar em definitivo contra a suspensa presidente Dilma  Rousseff no processo de seu impeachment.

A maioria congressual para Temer proporciona uma janela para concretizar reformas fiscais, mas as eleições de outubro constituem um fator de complicação.

Assumindo-se que ajustes econômicos suficientes irão se materializar, o aumento da confiança ajudará no alcance de uma recuperação moderada em 2017.

FOCUS ECONOMICS

A economia brasileira permaneceu numa profunda recessão no primeiro quadrimestre em função de altos índices de desemprego e confusões políticas. Entretanto, sinais de melhoria começaram a emergir, sugerindo que a economia pode retornar do fundo do poço.

Uma melhora na balança de pagamentos levou as contas correntes a um superávit recorde pelo segundo mês consecutivo em maio, além de que tanto a confiança dos consumidores e dos negócios cresceu em junho.

Dessa forma, o país receberá um impulso positivo no concerto internacional justamente quando a turbulência política chegar a seu pico. O Brasil irá sediar as Olimpíadas de verão em agosto. Não obstante os desafios na área, os cofres vazios do governo lançam uma sombra sobre o evento.

O Senado votará o impeachment em agosto para o afastamento da presidente Dilma Rousseff. Há necessidade de dois terços dos votos para que a Presidente Dilma Rousseff seja removida do cargo e uma parte dos senadores permanece em dúvida.

Adicionalmente, a Câmara dos Deputados elege um novo presidente após Eduardo Cunha ter renunciado em julho devido ao seu envolvimento no escândalo de corrupção.

 

DADOS DA ECONOMIA BRASILEIRA (FOCUS Economics) 2011 a 2015

Indicador 2011 2012 2013 2014 2015
População (milhões) 197 199 201 203 204
PIB per capita (US$) 13.237 12.342 12.244 11.915 8.651
PIB per capita (US$  bn) 2.613 2.459 2.461 2.416 1.769
Crescimento  econômico (variação PIB em %) 3,9 1,9 3,0 0,1 -3,8
Demanda doméstica (variação anual em %) 4,7 2,1 3,8 -0,9 -6,8
Consumo (variação anual em %) 4,7 3,5 3,5 1,3 -4,0
Investimento (variação anual em %) 6,7 0,8 5,8 -4,5 -14,1
Índice de desemprego 8,0 7,4 7,1 6,8 8,5
Balanço fiscal (% do PIB) -2,5 -2,3 -3,0 -6,1 -10,4
Dívida pública (% do PIB) 35,1 32,9 31,2 33,7 38,5
Inflação – variação anual em % 6,5 5,8 5,9 6,4 10,7
Reserva de mercado (variação anual em %) -18,1 7,4 -15,5 -2,9 13,3
Taxa de câmbio (x US$) 1,86 2,05 2,36 2,66 3,96
Conta corrente (% do PIB) -2,9 -3,0 -3,0 -4,3 -3,3
Balança de pagamentos (bilhões de US$) 29,8 19,4 2,3 -4,0 19,7
Exportações (bilhões de US$) 256 243 242 225 191
Importações (bilhões de US$) 226 223 240 229 173
Reservas internacionais (em US$) 352 373 359 364 356
Dívida externa (% do PIB) 11,4 12,7 12,5 14,6 19,1

 

Be the first to comment

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*