Crise na Petrobrás: repercussões internacionais – A vez dos políticos (Boletim nº 9 – 8/3/2015)

Com a apresentação de denúncia ao Supremo Tribunal de Justiça pelo Procurador Geral da República Rodrigo Janot, noticiada com destaque quase que no mundo todo, o Brasil segue aprofundando a crise que há tempos já não é só da Petrobrás.

Neste Boletim, o jornal espanhol ABC (www.abc.es) cede sua principal manchete ao envolvimento da presidente Dilma Rousseff. Em seguida, comentário do New York Times assinala que o processo será lento, mas pode complicar a aprovação das medidas de arrocho econômico. A Agência AFP lembrando que Dilma Rousseff não está sob investigação bate na mesma pressionada pelo ABC, frisando que ela esteve na direção da Petrobrás por uma década. No outro lado do mundo a Rádio Austrália igualmente repercute o caso. Por fim, o El País de Madri em sua edição em português chama o PP de Filho da Ditadura e expõe a pouco educada reação do vice-governador da Bahia.

Rodrigo Janot, Procurador Geral da República
Rodrigo Janot, Procurador Geral da República

 

Dilma Rousseff, citada en el escándalo de la petrolera brasileña (Abc.es / REUTERS, 07/03/2015 )

La Justicia admite que no tiene competencias para investigar a la presidenta

El escándalo de la petrolera brasileña, Petrobas, ha cobrado una nueva dimensión al trascender que la presidenta, Dilma Rousseff, está citada en algunos de los documentos que la Justicia investiga desde hace casi un año para arrojar luz sobre una vasta red de corrupción que afecta a muchos políticos. Varios ex directivos de Petrobas ya cumplen por ello penas de cárcel.

 

The New York Times By SIMON ROMEROMARCH 7, 2015

Brazil Bribery Inquiry Targets Top Politicians (Investigação de suborno no Brasil aponta políticos top)

RIO DE JANEIRO — Brazil’s highest court on Friday authorized an investigation of dozens of prominent political figures, including the leaders of both houses of Congress, intensifying a sweeping bribery scandal that is bedeviling President Dilma Rousseff’s government at a time when she is grappling with a sluggish economy. (A mais alta Corte brasileira nessa 6a. feira autorizou uma investigação de dúzias de proeminentes figuras políticas, incluindo os líderes de ambas as Casas do Congresso, intensificando um abrangente escândalo de corrupção que está atormentando o governo da presidente Dilma Rousseff num momento em que ela está lutando com uma apática economia).

… The process is not expected to be swift if the inquiries produce trials at the high court. Members of Congress have special judicial standing that allows them to be tried only by the Supreme Federal Tribunal, effectively producing long delays in such trials. Some of the politicians who will be investigated have already denied any wrongdoing. (Não se espera que o processo avance com rapidez se os inquéritos entrem em julgamento pela Alta Corte. Membros do Congresso detém status jurídico especial que lhes permite serem julgados apenas pelo STF, efetivamente produzindo longas demoras. Alguns dos políticos  que serão investigados já negaram qualquer ato errado.)

… The turmoil in Congress is also raising concern that legislators may seek to block austerity measures as tensions simmer between Ms. Rousseff and members of her coalition. (A turbulência no Congresso também faz crescer o consenso de que os legisladores podem querer bloquear as medidas de austeridade devido a que as tensões chegam próximo ao ponto de ebulição entre Rousseff e membros de sua coalisão).

Brazil names lawmakers in Petrobras graft scandal (MAR. 6, 2015. Rio de Janeiro (AFP)

Brazil’s Supreme Court named a long list of politicians under investigation over the multibillion-dollar graft case roiling state oil giant Petrobras, including the presidents of the senate and of the chamber of deputies.

… Not under investigation is President Dilma Rousseff, who was Petrobras board chair during much of the decade-long period when politicians allegedly benefited from huge kickbacks via inflated contracts struck between the oil firm and dozens of companies. … The naming of Congress president and senator Renan Calheiros and Eduardo Cunha, president of the chamber of deputies, could have severe repercussions for the centrist PMDB party and the ruling coalition. The PMDB is the strongest political group in the senate and the second-biggest in the lower chamber after Rousseff’s Workers’ Party (PT). Its support is therefore key in Congress for the PT.

Read more: http://www.businessinsider.com/afp-brazil-names-lawmakers-in-petrobras-graft-scandal-2015-3#ixzz3TkoDqmLt

Brazil to investigate corruption allegations involving more than 30 politicians and oil giant Petrobras

7 March 2015, – Radio Australia

Brazil’s Supreme Court authorises the investigation of dozens of politicians, including the presidents of the senate and of the chamber of deputies over the multi-billion-dollar graft case involving state oil giant Petrobras.

El País (Madrid – edição em português) Partido Progressista, o ‘filho’ da ditadura que coleciona escândalos

Com 31 dos 49 políticos investigados, legenda é umas das principais aliadas do Governo

De filho da ditadura militar (1964-1985) a para-raios de escândalos, esse é o Partido Progressista, a sigla que teve mais políticos citados na Operação Lava Jato até o momento, 31 dos 49. Oriundo da Arena, a agremiação de direita que deu suporte ao regime militar brasileiro, o PP sempre apoiou os governos, independentemente de quem fosse. Sua principal diferença do PMDB, que também costuma ser um fiel aliado do Palácio do Planalto desde a redemocratização, é o tamanho: os progressistas são menores.

A relação dos membros do PP investigados por desvios de recursos da Petrobras é eclética. Vai de um padre baiano, o ex-deputado José Linhares da Ponte (Padre Zé), a um evangélico paulista que está na cúpula da Igreja Mundial, o missionário José Olímpio. Há aindamensaleiros, como Pedro Henry e Pedro Corrêa, um ruralista gaúcho anti-índios, Luiz Carlos Heinze, e o vice-governador baiano que diz estar “cagando e andando” para a investigação, João Leão.

Be the first to comment

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*