Talebans e a poliomielite

A pólio é uma infecção viral aguda sem cura que pode redundar em paralisia e morte, mas é prevenível pela vacinação infantil. Internacionalmente erradicada, permanece ativa no Paquistão onde ocorreram 59 dentre os 74 casos novos confirmados em 2013 (contra apenas 24 no ano anterior), no Afeganistão e na Nigéria. A Organização Mundial da Saúde emitiu um alerta global para a doença e impôs severas restrições a viajantes para o Paquistão pelo temor de que dai  a doença, que é altamente transmissível pelo contato direto com as pessoas infectadas pelo poliovírus, volte a espalhar-se pelos demais países.

Campanha de vacinação infantil contra a pólio perto da fronteira entre Paquistão e Afeganistão (Radio Free Europe/Radio Liberty 7/5/14)
Campanha de vacinação infantil contra a pólio perto da fronteira entre Paquistão e Afeganistão (Radio Free Europe/Radio Liberty 7/5/14)

Em três regiões paquistanesas – as megacidades de Peshavar e Karachi e nas áreas tribais do Waziristão do Sul (FATA) – a vacinação tem sido sistematicamente bloqueada por quatro razões: a) guerrilheiros talebans das milícias Tehrik-e Taliban Pakistan (TTP) já raptaram e assassinaram dezenas de vacinadores sob o argumento de que são espiões ocidentais disfarçados. De fato, a CIA teria usado o médico paquistanês Shakil Afridi – no que é conhecido como o caso Afridi – para confirmar a presença de Osama Bin Laden (assassinado em Abbottabad em maio de 2011) através do DNA identificado em amostras de sangue colhido de seus familiares em campanha de vacinação contra a hepatite; b) religiosos linha-dura têm acusado as práticas de imunização de levar à infertilidade e as acusam de ser um complô externo para esterilizar as mulheres muçulmanas, chegando a declarar fatwas que conferem o status de martir a todos os que ficarem paralíticos ou morrerem devido à pólio; c) as campanhas sanitárias são taxadas de não-islâmicas, em parte porque as vacinas são produzidas em outros países, entre os quais os EUA e em parte porque espalhou-se o falso boato de que seriam feitas com gordura de porco ou contém traços de álcool, ambas substâncias proibidas pelo Islam; d) as condições sanitárias principalmente nas populosas áreas próximas à fronteira afegã, são muito precárias e sem infraestrutura mínima razoável de serviços de saúde. Sob intenso risco, cerca de 250 mil crianças sobrevivem nas áreas tribais do Waziristão norte e sul.

 Autoridades nacionais e regionais, como a ministra da saúde do Paquistão Saira Afzal Tarar e o assessor Khavaja Radique da província de Punjab declararam que estão empenhados em instalar postos de vacinação nos aeroportos e nos acessos às estradas que conduzem famílias dos povos Pashtun e Sindh com seus filhos, num esforço para imunizá-los com as gotinhas salvadoras. Viajantes internacionais, pegos de surpresa, não sabem onde  podem ser atendidos nem como obter um certificado de saúde.

Be the first to comment

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*